Cristãos ecléticos e a Nova
Jerusalém no planalto goiano

Fatores de ordem histórica, econômica, política, social e cultural têm sido apontados como responsáveis por crenças e manifestações diversas do que se convencionou genericamente denominar milenarismos - das antigas civilizações às sociedades modernas, passando pelas culturas nativas dos continentes americano, africano e asiático. Sem nos estendermos aqui à vasta e complexa literatura e às várias teorias sobre os milenarismos, o que foge ao escopo deste trabalho (cf. Mello, 1999, 2002), apresentamos, a título de contextualização, uma breve passagem pelas teorias e concepções correntes que nos ajudam a entender uma forma de milenarismo contemporâneo brasileiro, que trataremos aqui. Em plena atividade, vamos conhecer uma expressão milenarista, organizada em comunidade estruturada por princípios doutrinários e esotéricos, estabelecida no planalto goiano; vamos tratar, mais exatamente, da Cidade Eclética, idealizada para ser a Nova Jerusalém, no interior da qual será erigida a Igreja Eclética Universal, que reunirá os espiritualistas cristãos do terceiro milênio.